sábado, 20 de fevereiro de 2016

[TOP+] PIORES LIVROS QUE EU LI EM 2015

Olá pessoal, assim como existe livros bons, também existem livros ruins( por que a vida não pode ser tão perfeita, se não ela fica muito sem graça RS), então segue abaixo a minha lista dos piores livros que eu li em 2015.

1)- O DIÁRIO DE ANNE FRANK


Sinopse: O depoimento da pequena Anne Frank, morta pelos nazistas após passar anos escondida no sótão de uma casa em Amsterdã, ainda hoje emociona leitores no mundo inteiro. Seu diário narra os sentimentos, medos e pequenas alegrias de uma menina judia que, com sua família, lutou em vão para sobreviver ao Holocausto.Lançado em 1947, O Diário de Anne Frank tornou-se um dos maiores sucessos editoriais de todos os tempos. Um livro tocante e importante que conta às novas gerações os horrores da perseguição aos judeus durante a Segunda Guerra Mundial.Agora, seis décadas após ter sido escrito, este relato finalmente é publicado na íntegra, com um caderno de fotos e o resgate de trechos que permaneciam inéditos. Uma nova edição que aprofunda e aumenta nossa compreensão da vida e da personalidade dessa menina que se transformou em um dos grandes símbolos da luta contra a opressão e a injustiça. E consagra O Diário de Anne Frank como um dos livros de maior importância do século XX. Uma obra que deve ser lida por todos, para evitar que atrocidades parecidas voltem a acontecer neste mundo.

Sim, é isso mesmo, o primeiro livro da minha lista é o bendito Diário de Anne Frank, sinceramente o diário dela não conta nada do holocausto, simplesmente só fala mal das pessoas que vivem a sua volta, eu realmente fico triste em pensar em uma adolescente passar tudo o que ela passou, ninguém merecia aquelas atrocidades. Mais falar que ele é o  relato mais emocionante do holocausto, é a maior propaganda enganosa que eu já vi.

2) O SILÊNCIO DAS MONTANHAS


Sinopse: O Silêncio das Montanhas traz como protagonista os irmãos Pari e Abdullah, que moram em uma aldeia distante de Cabul, são órfãos de mãe e têm uma forte ligação desde pequenos. Assim como a fábula que abre o livro, as crianças são separadas, marcando o destino de vários personagens.Paralelamente à trama principal, Hosseini narra a história de diversas pessoas que, de alguma forma, se relacionam com os irmãos e sua família, sobre como cuidam uns dos outros e a forma como as escolhas que fazem ressoam através de gerações. Assim como em O Caçador de Pipas, o autor explora as maneiras como os membros sacrificam-se uns pelos outros, e muitas vezes são surpreendidos pelas ações de pessoas próximas nos momentos mais importantes.Segundo o próprio Hosseini, o novo título "fala não somente sobre a minha própria experiência como alguém que viveu no exílio, mas, também sobre a experiência de pessoas que eu conheci, especial os refugiados que voltaram ao Afeganistão e sobre cujas vidas tentei falar tanto como escritor quanto como representante da Organização das Nações Unidas. Espero que os leitores consigam amar os personagens de O Silêncio das Montanhas tanto quanto eu os amo". Seguindo os personagens, mediante suas escolhas e amores pelo mundo - de Cabul a Paris, de São Francisco à Grécia -, a história se expanda, tornando-se emocionante, complexa e poderosa. É um livro sobre vidas partidas, inocências perdidas e sobre o amor em uma família que tenta se reencontrar. 

Esse livro eu ganhei de presente, e logo que eu vi o autor, já sabia que não iria gostar, mais resolvi dar uma chance, e não me surpreendi quando comecei a ler, confirmei o inevitável, ele é mais ruim do que o caçador de pipas.



4) QUEM É VOCÊ ALASCA? 


Sinopse: Miles Halter é um adolescente fissurado por célebres últimas palavras que, cansado de sua vidinha pacata e sem graça em casa, vai estudar num colégio interno à procura daquilo que o poeta François Rabelais, quando estava à beira da morte, chamou de o "Grande Talvez". Muita coisa o aguarda em Culver Creek, inclusive Alasca Young, uma garota inteligente, espirituosa, problemática e extremamente sensual, que o levará para o seu labirinto e o catapultará em direção ao "Grande Talvez".


Foi o primeiro livro que eu li de John Green, como eu ouvi ótimas criticas desse autor, fique muito animada, porem, conforme fui lendo, também fui me desapontando,quando eu pensava que iria melhorar a história piorou.






4) O OCEANO NO FIM DO CAMINHO



Sinopse: Foi há quarenta anos, agora ele lembra muito bem. Quando os tempos ficaram difíceis e os pais decidiram que o quarto do alto da escada, que antes era dele, passaria a receber hóspedes. Ele só tinha sete anos.Um dos inquilinos foi o minerador de opala. O homem que certa noite roubou o carro da família e, ali dentro, parado num caminho deserto, cometeu suicídio. O homem cujo ato desesperado despertou forças que jamais deveriam ter sido perturbadas. Forças que não são deste mundo. Um horror primordial, sem controle, que foi libertado e passou a tomar os sonhos e a realidade das pessoas, inclusive os do menino.Ele sabia que os adultos não conseguiriam — e não deveriam — compreender os eventos que se desdobravam tão perto de casa. Sua família, ingenuamente envolvida e usada na batalha, estava em perigo, e somente o menino era capaz de perceber isso. A responsabilidade inescapável de defender seus entes queridos fez com que ele recorresse à única salvação possível: as três mulheres que moravam no fim do caminho. O lugar onde ele viu seu primeiro oceano.



O ponto a favor do livro, foi a capa que achei linda, mais da história não gostei nem um pouco, principalmente do final, meio sem sentido, uma confusão, não sei se a trama era real ou imaginaria do personagem, enfim não entendi nada. 


 5) O SOL É PARA TODOS

Sinopse: Um livro emblemático sobre racismo e injustiça: a história de um advogado que defende um homem negro acusado de estuprar uma mulher branca nos Estados Unidos dos anos 1930 e enfrenta represálias da comunidade racista. O livro é narrado pela sensível Scout, filha do advogado. Uma história atemporal sobre tolerância, perda da inocência e conceito de justiça.O sol é para todos, com seu texto “forte, melodramático, sutil, cômico” (The New Yorker) se tornou um clássico para todas as idades e gerações.


 Sim eu li esse livro com expectativas a mil, por que amo ler sobre o tema que "supostamente" essa história diz, que a meu ver não se fala muita coisa, essa trama é narrada na visão de uma menina com idade de 6 anos, e por causa disso eu não gostei nem um pouco, por ela ser criança ela mostrou sua visão, e sinceramente o livro todo ela fica numa fixação para ver seu vizinho,e isso deixou a narrativa chata do começo ao fim.




Bom esses foram os meus 5 piores livros de 2015,
fiquem com Deus.
beijos !!!

3 comentários:

  1. O diário de Anne Frank foi um livro que eu gostei de ler, gosto dele, mas também não acho que é o mais emocionante sobre o holocausto. E sobre "Quem é você, Alasca?",também me decepcionei, assim como com outros livro do John Green. Gostei da sua sinceridade.
    Seguindo o blog!

    Beijos,
    Postando Trechos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Postando Trechos,
      vou te seguir também
      Bjs

      Excluir
  2. Eu já tive muita vontade de ler esses livros, mas com o passar do tempo vi resenhas positivas e muitas negativas também, então acabei desistindo.. Rsrs
    Menos o silêncio das montanhas que eu nunca tinha ouvido falar... Bjus

    WWW.lendo1bomlivro.com.br

    ResponderExcluir

Curta nossa fanpage!